HOME > Notícias > 5 Formas Pelas Quais a Auditoria Interna Pode Não Atender Adequadamente Sua Organização

5 Formas Pelas Quais a Auditoria Interna Pode Não Atender Adequadamente Sua Organização

5 Formas Pelas Quais a Auditoria Interna Pode Não Atender Adequadamente Sua Organização
11/02/2019



Há uma infinidade de pressões sobre os departamentos modernos de auditoria interna. As expectativas são altas, os recursos são limitados e os riscos surgem em uma velocidade sem precedentes. Muitos chief audit executives (CAEs) prepararam suas equipes de auditoria interna para enfrentar esses desafios. No entanto, infelizmente, escolhas erradas ou equivocadas dos CAEs podem levar a auditoria interna a falhar.

 

Ocasionalmente, CAEs bem-intencionados e seus departamentos de auditoria interna falham em proteger adequadamente suas organizações. Às vezes, é inevitável. Mesmo a equipe de auditoria interna mais diligente pode deixar passar uma questão crítica ou não reconhecer sua importância. Mas, muitas vezes, quando deixamos de proteger nossas organizações, isto não é um descuido; é o resultado de uma decisão deliberada.

 

Precisamos estar bem cientes das consequências que nossas decisões podem trazer para nossas organizações, então, aqui vão cinco exemplos de como as escolhas erradas da auditoria interna podem ocorrer. Cada uma dessas situações ocorre com mais frequência do que deveria e cada uma delas resulta de uma decisão dos auditores internos que deve ter parecido justificável no momento. Mas cada uma dessas situações também pode ter consequências desastrosas e, se você pensar sobre elas do ponto de vista do comitê de auditoria, as decisões podem não parecer tão justificáveis, no fim das contas.

 

1. Evitar áreas de alto risco ou aceitar silenciosamente limitações de escopo

 

Há momentos em que a gerência pede que a auditoria interna não olhe especificamente para uma área, porque sabe que há problemas nessa área. Há também casos em que a auditoria interna não possui o conhecimento necessário para lidar com um risco crítico. Mas, na auditoria interna baseada em riscos, não podemos simplesmente ignorar uma área ou um processo simplesmente por interferências ou por falta de experiência. O conselho pode não estar ciente da extensão total do problema e podem existir questões desconhecidas na área problemática. Auditar uma área sensível de alto risco requer firmeza e coragem, mas é melhor do que ignorar um problema e, em seguida, ouvir a pergunta: "onde estava a auditoria interna?"

 

2. Ignorar a Cultura Organizacional

 

Quando as coisas correm de maneira espetacularmente errada nas organizações, os problemas geralmente resultam de uma cultura organizacional tóxica. Alguns auditores internos preferem se ater a questões de auditoria mais facilmente quantificáveis, mas os riscos relacionados à cultura organizacional nunca devem ser ignorados. Uma cultura organizacional insalubre pode permitir que um problema relativamente pequeno cresça sem controle e vire um grande desastre. Os diretores da Enron e da WorldCom tiveram prejuízo significativo decorrente dos delitos de suas empresas, portanto, quando a auditoria interna ignorar a cultura organizacional e as coisas derem errado, não se surpreenda se o conselho perguntar onde você estava.

 

3. Falha no Acompanhamento

Toda vez que reportamos questões e observações, estamos ajudando a administração e o conselho a tomar conhecimento dos problemas. Mas o trabalho de auditoria interna não termina aí. Quando tornamos o conselho ciente dos problemas, precisamos ter muita certeza de que as questões sejam abordadas satisfatoriamente ou de que a administração e o conselho tenham aceito o risco de não agir. Nunca é bom quando alguém diz: "o conselho sabia do problema, mas não fez nada a respeito".

 

4. “Amenizando” Questões Reportáveis

 

Às vezes, não é o que você diz; é como você diz. Relatórios de auditoria justos e equilibrados devem indicar claramente as questões, sem ocultar ou distorcer os fatos. Ocasionalmente, um cliente de auditoria interna pode pedir que você amenize ou omita uma descoberta, para fazer com que um problema pareça menos grave do que é. Mas, se os relatórios de auditoria interna não retratarem razoavelmente a extensão e a gravidade das questões reportáveis, aumentam as chances de que a ação corretiva seja inadequada. Na verdade, não é exagero dizer que a auditoria interna está contribuindo para o problema quando deixa de reportar com exatidão a extensão do problema. Não se surpreenda se seu conselho perguntar: "por que você não nos contou o quanto a situação era grave?"

 

5. Não Fornecer Relatórios Adequados Sobre a Auditoria Interna

 

O conselho tem um dever de zelo que inclui a supervisão ativa da função de auditoria interna. Por exemplo, os relatórios do comitê de auditoria para o conselho das empresas listadas na Bolsa de Valores de Nova York devem incluir questões que envolvam o desempenho da auditoria interna. Se o seu comitê de auditoria não estiver recebendo relatórios periódicos sobre planos de auditoria interna, orçamentos, requisitos de estruturação de equipe, necessidades de treinamento e qualidade, não se surpreenda se um dia o comitê lhe perguntar: "por que você não nos deu a informação de que precisávamos para que fôssemos capazes de fazer nosso trabalho? "
 

Qualquer uma dessas falhas pode levar a um impacto negativo significativo. Felizmente, podemos evitar a maioria dos “fracassos” de auditoria interna, simplesmente cumprindo com as normas profissionais. As Normas Internacionais para a Prática Profissional de Auditoria Interna foram projetadas para nos proteger de erros como os descritos acima, garantindo que a função de auditoria interna tenha os recursos e os profissionais adequados, e que atue no mais alto nível de qualidade e integridade. Mas as Normas só podem nos proteger e às nossas organizações se as usarmos.

 

Como sempre, aguardo seus comentários.

 

Divulgação:

Richard F. Chambers, presidente e CEO do Global Institute of Internal Auditors, escreve artigos semanais para a InternalAuditor.org sobre assuntos e tendências relevantes para a profissão de auditoria interna.

 

Tradução: IIA Brasil

Revisão Técnica da Tradução:  Simone Correa, CCSA, CRMA.

Receba nossa newsletter