Aviso Site sobre uso de Cookies:

A proteção dos dados pessoais é importante para o IIA Brasil. Usamos cookies para analisar o tráfego do site e assim melhorar os nossos serviços. A continuação do uso do nosso site, sem alterar as configurações do seu navegador, confirma a sua aceitação desses cookies.
Para mais informação, consulte a nossa política de cookies.


CONCORDO

HOME > Notícias > Como os agentes da mudança podem moldar o futuro da Auditoria Interna

Como os agentes da mudança podem moldar o futuro da Auditoria Interna

Como os agentes da mudança podem moldar o futuro da Auditoria Interna
29/03/2021



Como a maioria dos meus leitores sabe, vou deixar o cargo de presidente e CEO do IIA em alguns dias. Embora eu esteja ansioso para começar um novo capítulo em minha carreira de quase 50 anos em auditoria interna, estou feliz por ter completado uma meta importante antes do meu último dia de trabalho no Instituto.

Na semana passada, meu último livro, Agents of Change: Internal Auditors in an Era of Disruption, estreou na conferência virtual anual General Audit Management do IIA. O livro está sendo descrito como o terceiro de uma trilogia. Quando levei a caneta ao papel no meu primeiro livro, Lessons Learned on the Audit Trail em 2014, não era minha intenção criar uma série. No entanto, em retrospectiva, meus trabalhos publicados refletem a rápida evolução da profissão ao longo da última década. E, humildemente, afirmo que contam uma história poderosa, intrigante e importante.

Lessons Learned foi uma história semiautobiográfica que compartilhou um pouco de sabedoria que eu tinha obtido em uma carreira que incluía o setor público, o setor privado e a auditoria interna sem fins lucrativos. Cinco anos depois, apresentei um olhar atualizado sobre a jornada da auditoria em uma segunda edição do manuscrito original, intitulado The Speed of Risk. No meio de 2017, escrevi Trusted Advisors: Key Attributes of Outstanding Internal Auditors, que examina as características dos líderes de auditoria interna que ganharam um lugar à mesa corporativa. Dois livros foram destinados a inspirar os leitores a crescer profissionalmente e desencadear um impulso de crescimento e aprendizagem contínuos.

O último livro, Agents of Change, é muito mais um chamado à ação. Do meu ponto de vista, vi que o século XXI teve um início tumultuado. A primeira década trouxe escândalos corporativos e uma série de novos regulamentos de controle financeiro, caracterizados pela Lei Sarbanes-Oxley dos EUA de 2002. A segunda década trouxe ciberameaças onipresentes, um novo foco na proteção da privacidade, falhas corporativas provocadas por culturas tóxicas, um acerto de contas pela agressão sexual e assédio no local de trabalho com o movimento #MeToo. A terceira década está se mostrando ainda mais disruptiva, com poderosos movimentos de justiça social; uma mudança na forma como corporações e investidores veem questões ambientais, sociais e de governança; e o impacto e as consequências de uma pandemia global.

Não é preciso ser excessivamente perceptivo para entender que a mudança e a disrupção estão acontecendo cada vez mais rápido. O que vejo para a profissão na próxima década é um ponto de virada crítico. Forças poderosas impulsionadas pela tecnologia, macroeconomia, geopolítica, disrupção e riscos rapidamente acelerados e complexos remodelarão a auditoria interna. Cabe a nós decidir se vamos liderar essa reformulação, ou permitir que outros determinem nosso destino.

Agents of Change analisa com atenção como a profissão deve se adaptar e mudar para atender às crescentes necessidades de nossas organizações e stakeholders. Francamente, o livro cria uma alta expectativa de que processos sejam atualizados, de que o relacionamento da auditoria interna com a tecnologia seja transformado, de que se aprenda a promover e comercializar o valor da avaliação independente e de que a auditoria interna se torne uma propulsora de mudanças transformadoras que criem valor para nossas organizações.

Isso não será fácil. De fato, há muitos entre nós que precisarão se reinventar para se tornar agentes de mudança. No entanto, acredito sinceramente que o desejo de provocar mudanças arde dentro de cada auditor interno. Para alguns, arde como uma paixão furiosa; para outros, como uma pequena brasa, mas está lá. É um desejo alimentado pelos princípios fundamentais articulados no Framework Internacional de Práticas Profissionais — integridade, competência, objetividade, alinhamento, qualidade, autoaperfeiçoamento, comunicação, conhecimentos, proatividade e promover a melhoria dentro das organizações a que atendemos.

A capa do Agents of Change apresenta um grupo diversificado de pessoas, cada uma com um olhar de determinação de aço. Se a imagem sugere um grupo de super-heróis, essa era a intenção. Agora, mais do que nunca, a auditoria interna precisa ser liderada por super-heróis.

Nas próximas semanas e meses, você pode esperar ouvir mais de mim enquanto sigo em minha busca por esclarecer o potencial dessa importante profissão que atende ao interesse público em todo o mundo. Enquanto isso, recomendo que obtenha uma cópia de Agents of Change na Internal Audit Foundation e atenda ao chamado à ação delineado em suas páginas.

 

Richard F. Chambers, presidente e CEO do Global Institute of Internal Auditors, escreve um blog semanal para a InternalAuditor.org sobre questões e tendências relevantes para a profissão de auditoria interna.

Receba nossa newsletter