Aviso Site sobre uso de Cookies:

A proteção dos dados pessoais é importante para o IIA Brasil. Usamos cookies para analisar o tráfego do site e assim melhorar os nossos serviços. A continuação do uso do nosso site, sem alterar as configurações do seu navegador, confirma a sua aceitação desses cookies.
Para mais informação, consulte a nossa política de cookies.


CONCORDO

HOME > Notícias > Meu 500º artigo no blog: últimas reflexões no IIA

Meu 500º artigo no blog: últimas reflexões no IIA

Meu 500º artigo no blog: últimas reflexões no IIA
06/04/2021



Quando assumi o cargo de Presidente e CEO do IIA em 5 de janeiro de 2009, mal sabia que estava embarcando no que se tornaria a tarefa profissional mais longa e gratificante da minha vida. O mundo estava em um lugar escuro naquele inverno, quando as economias mergulharam na crise mais severa em sete décadas.

Como diz o ditado, quando a economia pega um resfriado, organizações sem fins lucrativos como o IIA pegam gripe. Portanto, com o mundo sofrendo de pneumonia, todo o meu foco naqueles primeiros meses estava diretamente nos desafios que enfrentávamos como organização — não na incrível jornada que estava por vir.

Em 10 de fevereiro de 2009, escrevi meu primeiro artigo no blog, “Chief Audit Executives Beware: We Are Entering One of Those Eras Again! Minha mensagem da época é tão relevante quanto hoje: os chefes executivos de auditoria (CAEs) devem estar continuamente em sintonia com os riscos que suas organizações enfrentam e com as expectativas dos stakeholders em relação à auditoria interna. Concluí aquele artigo inaugural com uma lista de “10 sinais de que possíveis problemas podem estar se formando para o CAE”:

  1. Você está executando um plano de auditoria anual, desenvolvido a partir de uma avaliação de riscos realizada há seis meses, e nenhuma nova auditoria foi adicionada nos últimos dois meses.
  2. Você se encontra cada vez mais discutindo com os stakeholders sobre por que a auditoria interna não deve abordar riscos específicos novos ou emergentes.
  3. O comitê de auditoria está falando de mais novos riscos para você do que você está para ele.
  4. Os membros do comitê de auditoria estão citando as melhores práticas que observaram em outras empresas com frequência crescente.
  5. Seu CEO, diretor financeiro (CFO) ou presidente do comitê de auditoria está citando a liderança criativa de auditoria interna, da qual você não ouviu falar.
  6. Você está recebendo muita pressão de seus stakeholders para passar por uma avaliação externa de qualidade. Uma avaliação externa de qualidade é uma ótima ideia e é exigida pelas Normas Internacionais para a Prática Profissional de Auditoria Interna do The IIA, mas deve ser sua ideia, não deles.
  7. Seu orçamento/estruturação de equipe está sendo reduzida, e você nem está sendo questionado sobre o impacto.
  8. Você encontra-se na pauta do comitê de auditoria com cada vez menos frequência.
  9. Você está recebendo cada vez menos telefonemas e e-mails dos principais stakeholders.
  10. Você descobre que um de seus colegas na equipe do CFO acaba de se associar ao IIA.

Embora aquele primeiro artigo do blog tenha sido escrito há 12 anos, a mensagem e os “10 sinais” seguem atemporais. Um ano de COVID-19 reafirma isso. A boa notícia é que a auditoria interna evoluiu nos últimos 12 anos e que nossa profissão está muito mais centrada no risco, sintonizada com os stakeholders e ágil do que éramos no fim da primeira década do século. Certamente, não levo qualquer crédito por isso, mas acredito que o IIA tenha sido um farol, iluminando um caminho a seguir para nossa profissão.

 

Esta é meu 500º e último artigo no blog como Presidente e CEO do IIA. Eu nunca poderia imaginar, quando comecei a coluna “Chambers on the Profession”, o quão popular esse formato se tornaria, ou quão amplamente meu blog seria lido e citado. Nos últimos anos, o número de leitores anuais rotineiramente superou 400.000 e o blog tem sido traduzido regularmente para vários idiomas.

Esta semana também é a minha última como presidente e CEO do IIA. Como notei quando anunciei minha intenção de renunciar em julho passado, minha decisão deu ao conselho do IIA “a oportunidade de garantir uma nova liderança, com novas ideias e perspectivas em um momento crítico. A indústria de associação em geral, e o IIA em particular, provavelmente serão muito diferentes na era pós-COVID, e a nova e forte liderança será fundamental na execução de estratégias ousadas, decisivas e ágeis para enfrentar essa nova fronteira”.

Embora eu tenha vindo a aceitar o termo aposentadoria para descrever o fim do meu mandato no IIA, de forma nenhuma pretendo me aposentar desta profissão. Assim como me aposentei formalmente como inspetor-geral do governo dos EUA em 2001, este marco simplesmente sinalizará o fim de um capítulo importante e o início de um novo, que ainda está para ser escrito. Mas prometo continuar escrevendo e compartilhando minha perspectiva, inclusive através de um novo blog a ser lançado em abril. Também pretendo permanecer ativo por meio de parcerias com organizações cuja missão inclua o avanço da profissão de auditoria interna em todo o mundo.

Enquanto me preparo para apagar as luzes do escritório uma última vez, não posso deixar de refletir sobre todas as mudanças que o mundo e o IIA passaram desde o meu primeiro dia de trabalho. Vi quatro presidentes dos EUA e dezenas de outros líderes globais irem e virem. Quando assumi este trabalho, comprei um novo iPhone 3, mas não havia algo como iPad e a tecnologia 3G era de última geração. Relógios inteligentes, drones disponíveis comercialmente, carros autônomos, impressão biológica 3D e estações de carregamento de carros elétricos ainda não eram realidades completas. A profissão de auditoria interna estava amplamente focada no reporte financeiro, na redução e contenção de custos e na avaliação do gerenciamento de riscos. Riscos relacionados à cibersegurança, cultura corporativa, big data e inteligência artificial não estavam em muitos de nossos radares.

Durante minha jornada no IIA, supervisionei o lançamento do Audit Executive Center, do Public Services Audit Center, do Financial Services Audit Center e do Environmental, Health & Safety Audit Center; das certificações Certification in Risk Management Assurance e Qualification in Internal Audit Leadership; da série Pulse of Internal Audit; do American Corporate Governance Index e do OnRisk; e de dois estudos do Common Body of Knowledge. Tive o privilégio de escrever quatro livros para a Internal Audit Foundation, incluindo o meu mais recente, Agents of Change: Internal Auditors in an Era of Disruption.

Também viajei mais de 2,25 milhões de quilômetros, visitei mais de 60 afiliados do IIA e falei com mais de 100.000 profissionais de auditoria interna em todo o mundo. Ajudei a aumentar o IIA para mais de 200.000 membros e mais de 170.000 Auditores Internos Certificados (CIA) em todo o mundo. Continuo extremamente otimista quanto ao futuro de nossa profissão. O IIA, celebrando este ano seu 80º aniversário, é sem dúvida a principal voz mundial, órgão normativo e de certificação, e principal educador da profissão de auditoria interna. Sou eternamente grato por ter feito parte desta jornada incrível. Agradeço a cada um de vocês por ouvirem meus pensamentos, por seus comentários e por seu apoio sempre valorizado.

 

Richard F. Chambers, presidente e CEO do Global Institute of Internal Auditors, escreve um blog semanal para a InternalAuditor.org sobre questões e tendências relevantes para a profissão de auditoria interna.

 

Receba nossa newsletter