Aviso Site sobre uso de Cookies:

A proteção dos dados pessoais é importante para o IIA Brasil. Usamos cookies para analisar o tráfego do site e assim melhorar os nossos serviços. A continuação do uso do nosso site, sem alterar as configurações do seu navegador, confirma a sua aceitação desses cookies.
Para mais informação, consulte a nossa política de cookies.


CONCORDO

HOME > Notícias > ND - CGU conseguiu frear R$ 812 milhões em fraudes em licitações, diz ministro

ND - CGU conseguiu frear R$ 812 milhões em fraudes em licitações, diz ministro

ND - CGU conseguiu frear R$ 812 milhões em fraudes em licitações, diz ministro
17/09/2019



‘O Brasil enfrenta uma das maiores crises fiscais e a auditora tem que mirar nisso’, afirmou Wagner Rosário, ministro da CGU (Controladoria-Geral da União) em encontro com auditores internos e profissionais de controle interno na manhã desta terça-feira (17).

O responsável pela pasta que defende o patrimônio público brasileiro, transparência e combate à corrupção foi um dos palestrantes do 39º Conbrai (Congresso Brasileiro de Auditoria Interna), realizado em Florianópolis desde domingo (15).

Wagner Rosário, ministro da CGU, participou de evento na Capital. – Anderson Coelho/ND

No encontro, o ministro apresentou um panorama do CGU em 2019, falou sobre a importância do uso da tecnologia e destacou a criação de um algoritmo que possibilitou frear R$ 812 milhões em fraudes nas licitações de obras e serviços para o governo federal em 2019.

“Depois que o dinheiro sai, é muito mais complicado combater a corrupção. Então, a gente fez um algoritmo que busca identificar erros já nos textos”, explicou o ministro.

No sistema, criado em 2018, mas implementado só neste ano, foram 15 pregões cancelados ou suspensos até o mês de agosto. Já nos últimos cinco anos, foram 94 diferentes ferramentas de tecnologia produzidas pela pasta com mais de 140 mil inconsistências encontradas.

“A corrupção no Brasil ocorre na interação pública e privada. Por isso, é importante prevenir e detectar [as fraudes]”, disse.

À reportagem, o ministro indicado pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) falou sobre o combate à corrupção como condição para o desenvolvimento do país. Ele destacou também a Lei Anticorrupção, que pune objetivamente empresas envolvidas em práticas ilícitas e avaliou o resultado positivo por conta das medidas adotadas para fortalecer o combate à corrupção no Brasil.

O evento, com número recorde de participantes, reuniu mais de 850 pessoas, entre especialistas no assunto e gestores para debater temas relacionados à inteligência artificial, robótica, fraudes e combate à corrupção.

 

Notícia publicada no site ND +

Receba nossa newsletter