Aviso Site sobre uso de Cookies:

A proteção dos dados pessoais é importante para o IIA Brasil. Usamos cookies para analisar o tráfego do site e assim melhorar os nossos serviços. A continuação do uso do nosso site, sem alterar as configurações do seu navegador, confirma a sua aceitação desses cookies.
Para mais informação, consulte a nossa política de cookies.


CONCORDO

HOME > Notícias > Nós estamos prontos para superar os riscos do COVID-19?

Nós estamos prontos para superar os riscos do COVID-19?

Nós estamos prontos para superar os riscos do COVID-19?
10/11/2020



O desespero pela normalidade cresce diariamente após mais de oito longos meses lutando contra o insidioso vírus COVID-19. Esse desejo ansioso por um retorno a uma rotina confortável se reflete na crescente pressão pública por testes de vacinas acelerados e resistência aos pedidos de novos “lockdowns”, mesmo quando uma nova onda da doença ameaça muitas regiões do mundo.

Tenho visto essa crescente impaciência também nas minhas recentes interações com líderes de auditoria interna, que estão prontos para reorientar suas energias para riscos além da gestão de crises. Eles estão ansiosos para aplicar as lições aprendidas com a pandemia e seguir em frente a partir da resposta inicial a ela.

Conforme olhamos para um futuro após o COVID-19, há fatos que ajudarão nos orientando na transição. Dados de quatro pesquisas rápidas realizadas pelo Audit Executive Center (AEC) do IIA sugerem mudanças significativas na forma como os profissionais esperam operar após o COVID:

  • 80% dos entrevistados esperam mais opções de trabalho em casa.
  • 71% dos chefes executivos de auditoria esperam menos tempo gasto na auditoria no local.
  • 73% esperam planos de auditoria mais flexíveis.

Há evidências crescentes de que as organizações estão avançando nos esforços de transformação digital conforme a resistência histórica é destruída após a pandemia. Isso trará novos desafios e oportunidades para os profissionais. Por exemplo, 49% dos entrevistados da pesquisa do AEC esperam aumentar o uso de análise de dados e 39% esperam aumentar o uso de técnicas de auditoria ágil.

Devemos considerar também como a pandemia alterou — tipicamente para melhor — o alinhamento do gerenciamento de riscos entre o conselho, a alta administração e a auditoria interna. As pesquisas do AEC constatam que 53% dos entrevistados esperam aumentar a frequência das avaliações de riscos e 68% esperam aumentar a frequência das atualizações do plano de auditoria.

Enquanto isso, o efeito de longo prazo da pandemia sobre a estratégia de negócios, gestão de talentos, produtividade e eficiência, e cultura organizacional estão começando a tomar forma.

Por exemplo, a McKinsey & Co. está fazendo um trabalho notável para adicionar perspectiva de como a pandemia está acelerando a transformação digital, como isso está mudando o comportamento do consumidor e como isso, por sua vez, afetará as estratégias globais dos negócios. Uma nova pesquisa global de executivos da McKinsey conclui que "as empresas aceleraram a digitalização de suas interações com o cliente e com a cadeia de suprimentos e de suas operações internas o equivalente a três a quatro anos. E a participação de produtos digitais ou digitalmente habilitados em seus portfólios acelerou em chocantes sete anos.

Dados do artigo provocativo da McKinsey intitulado “How COVID-19 Has Pushed Companies Over the Technology Tipping Point – and Transformed Business Forever” mostram os impactos dramáticos e mensuráveis da pandemia. Por exemplo, com base na taxa de interações com os clientes nos últimos três anos, a McKinsey calcula que as interações digitais hoje estão em níveis que não eram esperados até 2023. Enquanto isso, a participação do atendimento ao cliente ou produtos digitais acelerou em sete anos.

Os mesmos impactos dramáticos estão se tornando claros na relação contratante-contratado. De acordo com  um artigo da Harvard Business Review,  "The Post-Pandemic Rules of Talent Management", publicado em outubro:

". . . Humanyze, uma empresa de tecnologia especializada em sensoriamento social (liderada por Ben Waber, do MIT, que cunhou o termo análise de pessoas, agora amplamente utilizado), minerava dados anônimos de e-mail, chat e calendário da empresa para descobrir que trabalhar sem escritório ampliou o tempo de trabalho das pessoas em uma média de 10 a 20%, ao mesmo tempo em que reduziu o estresse e as emoções negativas relacionadas ao trabalho, aumentando a confiança e o bem-estar, e aumentando a comunicação com colaboradores próximos na taxa impressionante de 40%."

O artigo cita dados de um estudo do ManpowerGroup sobre a dinâmica em mudança da gestão de talentos que levanta questões fundamentais:

  • Os funcionários devem voltar ao local de trabalho? 
  • Quais opções de aprendizado remoto estão disponíveis para uma força de trabalho que provavelmente precisará de algum nível de retreinamento após o COVID-19?
  • Quais opções/precauções de segurança do trabalhador devem ser tomadas para trabalhos que exijam os funcionários no local?

Um estudo global da consultoria de gestão de funcionários Quartz e Qualtrics descobriu que mais do que o dobro de pessoas acreditam que a cultura no local de trabalho melhorou desde o início da pandemia, em relação àqueles que acreditam que ela piorou (37% para 15%), enquanto 48% relatam pouca mudança. No entanto, há variações demográficas significativas. Por exemplo, os homens são 40% mais propensos do que as mulheres a dizer que as coisas são melhores, e a geração dos millennials é duas vezes mais propensa do que os Baby Boomers a dizer que a cultura de sua empresa melhorou.

Todos esses pontos de dados fornecem vislumbres intrigantes sobre os efeitos profundos e potencialmente de longo prazo da pandemia, e é provável que haja muitos mais conforme nos aproximamos do anseio de retorno à normalidade. No entanto, o "normal" para o qual voltarmos será decididamente diferente do que tínhamos antes, e os auditores internos devem estar prontos para ajustar seu planejamento, processos e mentalidades à medida que fazem o importante trabalho de avaliação e assessoria em governança, riscos e controle.

O desejo de um retorno à normalidade é natural e antecipado, mas não deve ser apressado. Além disso, quando estivermos prontos para avançar, devemos fazê-lo com a clara compreensão de que o COVID-19 mudou fundamentalmente a forma como o mundo opera economicamente, politicamente e socialmente.

Como sempre, aguardo seus comentários.

 

Richard F. Chambers, presidente e CEO do Global Institute of Internal Auditors, escreve um blog semanal para a InternalAuditor.org sobre questões e tendências relevantes para a profissão de auditoria interna.

Receba nossa newsletter