Aviso Site sobre uso de Cookies:

A proteção dos dados pessoais é importante para o IIA Brasil. Usamos cookies para analisar o tráfego do site e assim melhorar os nossos serviços. A continuação do uso do nosso site, sem alterar as configurações do seu navegador, confirma a sua aceitação desses cookies.
Para mais informação, consulte a nossa política de cookies.


CONCORDO

HOME > Notícias > O anúncio sobre a Auditoria Rotativa da GE é uma boa ou má notícia?

O anúncio sobre a Auditoria Rotativa da GE é uma boa ou má notícia?

O anúncio sobre a Auditoria Rotativa da GE é uma boa ou má notícia?
20/11/2020



O The Wall Street Journal reportou recentemente que a General Electric, em um esforço para agilizar as operações, está eliminando seu programa Corporate Audit Staff (CAS), uma "rotação rigorosa de múltiplos anos através de várias divisões, que o conglomerado há muito usa para formar futuros líderes". Para aqueles de nós que há muito admiram o modelo da GE de estruturação de equipe de auditoria interna, foi uma grande notícia. A função de auditoria interna da GE é um dos departamentos de auditoria corporativa mais antigos do mundo, desde 1913 — quase 30 anos antes da fundação do IIA.

Estudei o modelo da GE pela primeira vez na década de 1990, quando estava liderando uma iniciativa de reengenharia do programa de revisão (auditoria) interna do Exército dos EUA. Fiquei fascinado pela estrutura robusta e formal do programa CAS da GE, no qual, como relatou o Journal, “jovens executivos financeiros da GE (...) trabalhavam longas horas e viajavam pelo mundo analisando várias unidades de negócios, procurando por desperdícios ou revisando controles internos.”

Vi um valor extraordinário em tal abordagem, que concluía com os graduados do programa indo para diversas funções de negócios na empresa. Infelizmente, a estrutura rígida do serviço público do governo dos EUA impediu essa abordagem para nós. Portanto, aprimoramos nosso programa usando outras estratégias.

No início dos anos 2000, o modelo GE era considerado o padrão ouro para programas de rotação de equipe. O conceito proliferou, com abordagens semelhantes adotadas por empresas como The Home Depot e Chrysler. Durante meus anos nas Big Four, tive a oportunidade de observar de perto os modelos de rotação de equipe e passei a acreditar que eram uma tendência estimulante para a profissão. Estávamos atraindo talentos mais diversos, com experiência extraordinária em todo o portfólio de riscos e controles.

Embora os modelos de rotação de equipe fossem amplamente admirados, a abordagem gerava controvérsia. Os programas formais de rotação de equipe, nos quais todos estavam basicamente de passagem pela auditoria interna a caminho de outra unidade de negócios dentro da empresa, podem ter sido um ímã para o talento que agregava valor à empresa. Mas também foram criticados pelo fato de que, com todos apenas de passagem, a auditoria interna lutava para desenvolver um conhecimento institucional valioso sobre os riscos e controles da empresa.

Eu não criticava. Mas defendi um modelo misto, no qual a maioria da equipe tivesse rotatividade, enquanto uma equipe principal de auditores internos ficasse no longo prazo. Comparei isso a uma universidade, onde a maioria dos alunos frequenta por tempo suficiente para obter o diploma de bacharel, e alguns ficam mais tempo para fazer o mestrado. Enquanto isso, alguns permanecem tempo suficiente (ou retornam) para um doutorado.

Vários anos atrás, escrevi um artigo no blog sobre o tópico de modelos de rotação de equipe. Em “Internal Auditing: Is It a Career or a Career "Stepping-stone?", observei:

Quase paradoxalmente, a tendência de auditoria rotativa também tem sido benéfica para aqueles de nós que preferem permanecer na profissão de auditoria interna a longo prazo. A grande maioria dos grupos de auditoria interna depende de uma equipe central de profissionais de auditoria experientes para supervisionar as equipes de auditoria e desempenhar funções de gestão e, conforme os auditores rotativos deixam o departamento e são substituídos por novos profissionais inexperientes, as oportunidades de promoção para os demais auditores experientes são aprimoradas.

Então, os planos da GE para sua função de auditoria interna são um bom ou mau presságio para a profissão de auditoria interna? Na verdade, acho que a decisão é uma boa notícia. Conforme reportado no artigo do WSJ:

“Administrar a GE de maneira diferente significa equipar nossos líderes em desenvolvimento com maior profundidade operacional e especialização de domínio”, disse uma porta-voz da GE. “Estamos desenvolvendo um programa de desenvolvimento de talentos para fornecer essas competências com maior foco.”

A GE está dividindo o programa, movendo a parte de desenvolvimento de liderança para as unidades individuais de negócios, para que os funcionários obtenham uma experiência operacional mais profunda, ao mesmo tempo criando uma equipe de auditoria interna separada. As mudanças acontecerão ao longo de seis a nove meses, disse a empresa.

A partir dessa passagem, fica evidente para mim que a empresa ainda vê valor nas contribuições que o programa CAS fez ao longo das décadas. O programa não está sendo descartado; está sendo integrado ao negócio.

Enquanto isso, a auditoria interna provavelmente continuará a promover fortes controles internos dentro da GE, como tem feito por mais de um século. Compartilhei o artigo da GE na semana passada nas redes sociais e ele gerou muitas reações — tanto positivas quanto negativas. No entanto, estou inclinado a concordar com uma das minhas conexões mais ativas no LinkedIn, que observou que a decisão da GE fala sobre o fato de que a auditoria interna “criou e executou uma ideia que impactou positivamente a GE por gerações”.

Também tenho fortes suspeitas de que o departamento de auditoria interna da GE continuará a ser um canal de talentos para os negócios, como tem sido há décadas. Isso simplesmente não será feito de uma forma formalmente estruturada daqui para frente.

E quanto aos departamentos de auditoria interna que desejam adotar ou continuar operando com um componente rotativo? Escrevi outro artigo no blog há vários anos, no qual ofereci meus insights sobre o que é importante considerar ao adotar essa abordagem. Em “Internal Audit as a Pipeline of Talent”, identifiquei cinco coisas que importam:

  • O porte da organização.
  • Reputação.
  • Complexidade.
  • Qualidade.
  • Apoio executivo.

Encorajo você a verificar este artigo do blog para mais informações sobre as coisas que importam ao adotar um programa de rotação.

Também aguardo seu feedback sobre a decisão da GE, assim como sobre a auditoria rotativa em geral.


Richard F. Chambers, presidente e CEO do Global Institute of Internal Auditors, escreve um blog semanal para a InternalAuditor.org sobre questões e tendências relevantes para a profissão de auditoria interna.

 

Receba nossa newsletter