Aviso Site sobre uso de Cookies:

A proteção dos dados pessoais é importante para o IIA Brasil. Usamos cookies para analisar o tráfego do site e assim melhorar os nossos serviços. A continuação do uso do nosso site, sem alterar as configurações do seu navegador, confirma a sua aceitação desses cookies.
Para mais informação, consulte a nossa política de cookies.


CONCORDO

HOME > Notícias > On the Frontlines: Ceticismo do Auditor

On the Frontlines: Ceticismo do Auditor

On the Frontlines: Ceticismo do Auditor
08/06/2022



Publicado em 17 de fevereiro por James Bone 

Os auditores internos podem não ter a lógica do Primeiro Oficial Spock de StarTrek, então, precisam de uma abordagem estruturada ao ceticismo.

Quando eu era jovem, a televisão consistia em três canais dirigidos por programas culturais dos anos 1970, e devo admitir que aprendi muito sobre ética, caráter e os caprichos do comportamento humano assistindo Star Trek. O quinto episódio da primeira temporada, "The Enemy Within", ainda ressoa com seu olhar contemporâneo sobre a imprevisibilidade do comportamento humano.

No verdadeiro estilo de Star Trek, a relativa calma de viajar "para onde nenhum homem (ou mulher) esteve antes" é quebrada por uma crise que atinge a tripulação, causando um dilema. Neste episódio, ao se teletransportar de um planeta, um mau funcionamento do transportador faz com que o capitão Kirk se divida em duas pessoas: uma "boa", mas indecisa e ineficaz; e outra "má", impulsiva e irracional. O Primeiro Oficial Spock deve trabalhar com o engenheiro-chefe "Scotty" para juntar novamente os lados bom e mau de Kirk.

Admiro como os escritores equilibraram a lógica de Spock com o lado humano e emocional de Kirk, para mostrar a complexidade de como decisões são formadas. No entanto, questiono se é realista, na vida real, manter um senso de ceticismo em todas as auditorias, grandes e pequenas, sem uma abordagem estruturada. Há pelo menos dois grandes desafios para manter o ceticismo a longo prazo.

1. Trabalho Duro

A definição literal de ceticismo é um processo ativo de “investigação” e “reflexão” – processos que sugerem questionamento, observação cuidadosa, reflexão investigativa e suspensão da crença. Parece uma auditoria, não é? O ceticismo não se trata apenas de palavras, ou de consideração em uma auditoria; é um processo de descoberta do desconhecido.    

Os antigos céticos filosóficos evoluíram em dois ramos. Um ramo negou toda possibilidade de conhecimento ou certeza. O segundo ramo defendeu a suspensão do julgamento até que provas suficientes sejam encontradas. Não importa o desafio óbvio de definir o ceticismo, se o processo se tornar muito burocrático, o rigor do ceticismo de auditoria diminuirá com o tempo.

2. Risco Heurístico – Julgamento

A literatura de risco comportamental muitas vezes promove anedotas teóricas populares para a mudança, mas parafraseando o pai da ciência comportamental, Dan Kahneman: "um aumento na conscientização da parcialidade não foi transformador na mudança comportamental".

Manter o ceticismo também exigirá ser responsivo durante períodos de mudanças rápidas. Mas isso levanta a questão: como a auditoria interna antecipa e se prepara para mudanças na postura de julgamento?

Esses são apenas exemplos das questões que os auditores devem considerar ao pensar sobre ceticismo. Uma sugestão para criar um ceticismo sustentável para o auditor é não confiar apenas no julgamento individual. Engenharia financeira ou tomada de risco questionável ou limítrofe requerem consulta para manter o equilíbrio apropriado. 

Encontrando Equilíbrio no Ceticismo

Descobri que desenvolver um processo para lidar com assuntos difíceis é mais eficaz quando uma liderança diversificada está envolvida, e quando existe um compromisso com a transparência. No caso de um problema, um processo de descoberta deve estar disponível para a gestão para garantir consistência, imparcialidade e equilíbrio na apresentação de todos os lados.

As regras básicas para operacionalizar o ceticismo devem considerar a necessidade de treinamento, ferramentas de avaliação de riscos e envolvimento do nível sênior. Atualmente, muitas organizações têm processos para lidar com o ceticismo em relação a questões básicas. Para questões mais desafiadoras e complexas, é necessário um esforço de equipe para construir um aprendizado institucional e um consenso que garanta o equilíbrio certo.

Processos transparentes também exigem níveis adequados de confidencialidade. O processo de verificação de práticas questionáveis não deve se tornar punitivo, mas sim de descoberta e de melhores práticas que levem a melhores resultados.

Espero que este post ajude organizações que tenham começado a discutir sobre como construir processos sustentáveis que evoluam com seus negócios.

James Bone é diretor executivo do GRCIndex e investigador principal do Cognitive Risk Institute em Lincoln, R.I.

Copyright © 2022 de The Institute of Internal Auditors, Inc. (“The IIA”).  
Todos os direitos reservados.  
   
Foi obtida permissão do detentor dos direitos autorais, The IIA, 1035 Greenwood Blvd., Suíte 401, Lake Mary, FL 32746, EUA, para publicar esta reprodução, que é igual ao original em todos os aspectos materiais, a menos que aprovada como alterada. 
   
Este documento foi traduzido por INSTITUTO DOS AUDITORES INTERNOS DO BRASIL em 28 DE MARÇO DE 2022.

Receba nossa newsletter